Lula: governo apoiará o empreendedorismo e a economia criativa

Em Belo Horizonte, ex-presidente afirmou que economia voltará a crescer a partir da retomada de obras de infraestrutura

Foto: Ricardo Strurket.

Em conversa com jornalistas na manhã deste domingo (09/10), em Belo Horizonte (MG), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que, se ganhar as eleições, o BNDES voltar a ser um banco indutor do desenvolvimento, e que tanto a instituição de fomento, como o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal voltarão a fazer muitos investimentos.

Lula destacou, ainda, a necessidade de o governo criar condições para estimular que empreendedores criem seus negócios e citou especificamente a economia criativa.  Segundo ele, será dada a oportunidade para que os brasileiros que queiram possam se tornar seus próprios patrões.

"Não basta só discursos, é preciso colocar em prática as coisas que estão bem-sucedidas. Essa tal da chamada economia criativa, nós vamos tentar torná-la ainda mais criativa e incentivar o crescimento de cooperativas. Pessoas que queiram se organizar para trabalhar e produzir e ganhar coletivamente, nós vamos facilitar", disse, acrescentando que vai juntar empresários que tenham práticas em inovação, universidades e trabalhadores para discutirem juntos a verdadeira política de inovação no país.

Dar dignidade ao povo
Sobre os bancos públicos, o ex-presidente contou que a Caixa voltará a investir no Minha Casa Minha Vida, em saneamento básico e em urbanização de favelas para que o país possa dar dignidade a seu povo. Já o Banco do Brasil financiará, além da agricultura, micro e pequenos empreendimentos daqueles que queiram trabalhar por conta própria.

Lula afirmou que o estímulo à economia será dado inicialmente com a retomada de obras públicas, inclusive projetos do PAC que foram paralisados. Ele voltou a dizer que, na primeira semana de janeiro, reunirá os 27 governadores, independentemente do partido a que pertencem, para que apresentem prioridades no campo da infraestrutura, envolvendo educação e saúde, para que um novo PAC possa ser construído com a participação dos entes federativos. "A gente vai ter que começar a fazer, imediatamente, obras de infraestrutura em vários cantos para que a economia possa voltar a crescer".

Postar um comentário

0 Comentários